Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Paróquia dos Álamos, Funchal

Corpo de Deus; Novena, festas de São João Batista (último domingo de junho) e Santíssimo (1º domingo de julho)

2018-2019 cartaz SJB&SSS

A alegria do encontro

com Jesus Cristo

 

Novena, Missa a São João Batista por sítios

 

6ª21jun18h, Lugar do Meio

importância e urgência do encontro;

 

sº22jun18h, Ribeira Grande

oportunidade e sinal de encontro;

 

Dº, 23jun9h, Lombo Jamboeiro

— o Ressuscitado e Seu anúncio;

 

2ª24jun19h, Salão

Igreja-comunidade;

 

3ª25jun19h, Santana

Palavra, Eucaristia, Caridade;

 

4ª26jun19h, Galeão

mediador do encontro;

 

5ª27jun19h, Olival, Água de Mel Penteada

encontro com os mais novos;

 

6ª28jun19h, Álamos

encontro com os mais velhos;

 

sº29jun19h, Vigília

alegria do encontro.

Celebração diocesana do Corpo de Deus

 
Homilia no Corpo de Deus
21-06-2019
 

SOLENIDADE DO SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE

DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Funchal, 22 de Junho de 2019

Ano C

Largo do Colégio

"Anunciareis a morte do Senhor, até que Ele venha"

1. Encerradas as festas pascais com a Solenidade do Pentecostes, podemos agora deter-nos a contemplar e celebrar (particularmente nós, as "Ilhas do Santíssimo Sacramento") o Santíssimo Corpo e Sangue de Jesus - quer dizer: esta realidade sacramental que Jesus nos deixou e que nos mandou (a nós, seus discípulos) que celebrássemos até Ele regressar colocando fim à história.

Até esse momento - "até que Ele venha", dizia S. Paulo, na sequência daquilo que o próprio Senhor afirmou na Última Ceia: "Não beberei mais do fruto da videira, desde agora, até àquele dia em que convosco o hei-de beber, novo, no Reino do meu Pai" (Mt 26,29) - até esse momento de plenitude, havemos nós, seus discípulos, de celebrar e nos alimentarmos com o Sacramento Eucarístico.

Entre estes dois banquetes (a Última Ceia de Jesus com os discípulos e o banquete escatológico, final, quando o mundo inteiro for entregue por Jesus nas mãos do Pai), vivemos a fé como peregrinos. E a Eucaristia - toda e qualquer celebração da Eucaristia - será sempre marcada por estas três realidades: memória (quer dizer: presença) da morte do Senhor e da sua última Ceia; antecipação do gozo em que nos será dado contemplar a Deus face a face; alimento sobreabundante de peregrino, força que nos transforma, presença de Deus que nos revigora, a nós, cansados caminheiros do Céu.

2. Mas, ao celebrarmos a Eucaristia, afirmava S. Paulo na IIª leitura, ao celebrarmos a Eucaristia, anunciamos também a morte do Senhor. Porque havemos nós de anunciar, constantemente, a morte do Senhor? Não é ela uma derrota (a derrota de Deus diante do pecado dos homens que se recusam a recebê-lo)?

Claro que a cruz é uma derrota. Claro que a cruz é uma falência. Tal como a morte humana (a morte de cada ser humano) é uma derrota, uma falência: é aquele momento em que já não somos capazes de viver; em que cessam as sabedorias humanas; em que todo o nosso poder se mostra fraco.

À morte, estamos nós, seres humanos, habituados: contamos com ela, faz parte do nosso viver. Mas não estamos habituados - como poderíamos estar? - à morte de Deus. Como poderia Deus sofrer a morte? Como poderia Ele estar sujeito à fraqueza, à impotência máxima, ao aniquilamento do seu ser? Quando os discípulos vêem Jesus que pende da Cruz, é natural que fujam, desanimados e sem sentido. Afinal, Aquele que comandava ventos e mares, Aquele que curava e que falava com a autoridade divina, perdoando os pecados; Aquele diante de quem não raras vezes sentiam o temor devido somente à presença de Deus, também Ele ali estava, pendendo do madeiro, sofrendo a caducidade humana, sujeito à maior agonia então imaginável. Que fazer, senão fugir? Que fazer, senão procurar o regresso ao quotidiano, e tentar que tudo não tivesse passado de um sonho transformado em pesadelo?

Mas a ressurreição do Senhor, aqueles encontros com o Ressuscitado que se seguiram ao dia de Páscoa; o olhar com os olhos de discípulos; o escutar com os seus ouvidos; o tocar o Ressuscitado com as próprias mãos; as refeições tomadas com Jesus ao longo daqueles 40 dias; a Sua presença gloriosa que vencia e ultrapassava todos os obstáculos: tudo isso conduziu os discípulos a um outro entendimento, a olhar para a cruz de um modo radicalmente diferente.

Que o homem morra é normal; mas que Deus sofra a morte, custa-nos, ainda hoje, entender - que Deus experimente o que é morrer; que Ele experimente a morte real, física e moral; que sofra o abandono dos seus, a solidão, o silêncio, a dor maior do abandono do Pai, para (por nossa causa) vencer a morte e nos dar a vida, a Sua vida - isso apenas poderá ter uma justificação: o amor divino, incomensurável, o amor maior e concreto por todos e por cada um: o amor definitivo. Ou, simplesmente, "o amor".

A morte de Jesus, longe de ser apenas uma morte injusta e sem sentido, mostrou e mostra ainda hoje a todo o que se deixar confrontar por ela, o quanto cada ser humano vale para Deus. Mostra como o amor divino pode ir longe - bem mais longe que qualquer sentimento, bem mais longe que qualquer poder humano, bem mais longe que qualquer desejo: é uma vontade (um querer divino!) de a todos chegar, de a todos oferecer a sua vida, de a todos convencer com o amor, de a todos oferecer a eternidade. A Cruz de Jesus Cristo é o lugar do amor. Neste Jesus que assim morre na cruz, conhecemos o que é o amor, sem fronteiras, sem limites - o amor que tudo pode porque não é fruto de uma fantasia ou de um sentimento vago, mas antes daquele querer divino, único a poder vencer a morte no seu próprio terreno.

Não nos espante, portanto, irmãos, que S. Paulo nos diga - a nós, discípulos que celebramos a Eucaristia, a nós que comungamos - que sempre que o fazemos anunciamos a morte do Senhor até que Ele venha! Anunciamos, verdadeiramente, a morte do Senhor. Somos seus anunciadores, seus pregoeiros; somos portadores da morte de Jesus, porque nela se mostrou o amor e a medida do amor: "longe de mim gloriar-me a não ser na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo" - afirmava S. Paulo noutro lugar (Gal 6,14). Na cruz de Jesus Cristo vem-nos ao encontro a vida que vence a morte; e no Crucificado somos surpreendidos pela grandeza do ser humano, a grandeza de cada um de nós; a grandeza que permanece sem que nada mais a possa destruir.

3. Sim, todas as vezes que comemos deste pão e bebemos deste cálice anunciamos a morte do Senhor - nós, discípulos peregrinos do Céu - até que Ele venha de novo na plenitude dos tempos. O mesmo é dizer: anunciamos o amor até ao fim; anunciamos o amor na sua medida mais alta e excelente; anunciamos o amor que vence efectivamente o ódio, a guerra, o egoísmo; anunciamos o amor que transforma o mundo (o único a poder transformar o mundo!).

Quando celebramos a Eucaristia, celebramos este Amor, único e total de Deus por cada um de nós e por todos; quando comungamos, recebemos em nós o Amor. Quando nos ajoelhamos diante do Santíssimo Sacramento, ajoelhamos diante do Amor. Quando abrimos o nosso coração num momento de oração silenciosa perante o Sacrário, abrimos o nosso coração ao Amor. E quando O mostramos à cidade, numa procissão jubilosa, mostramos a todos o Amor - aquele Amor de que todos os homens necessitam para ser, para viver, para resolver os seus problemas, para chegar à verdadeira e autêntica felicidade. Mostramos o Amor que é fonte de verdadeira comunhão.

Grande é a graça, irmãos, de poder olhar com os nossos olhos o Pão Eucarístico, e de contemplar o Deus morto e ressuscitado a dar-nos a vida. Grande é a graça de receber Deus nas nossas mãos, na nossa boca, no nosso coração: sim, Aquele que tudo criou e que nos criou a nós, num acto único de amor, está ali, nas nossas mãos, na nossa boca e no nosso coração. E pede que o comunguemos. Que o deixemos ser um connosco. Pede que O façamos nosso. Melhor: pede que a nossa vida seja sua, inteiramente sua.

E pede-nos, hoje, que o seu anúncio e as suas acções possam estar próximos, e interpelar, convidar - hoje como na Galileia de há 2000 anos - a todos aqueles que ainda não se encontraram com Ele, mas a quem Ele não desiste de procurar, de encontrar, de amar.

+ Nuno, Bispo do Funchal

Festa da Luz, a 15 de junho de 2019, na Paróquia dos Álamos, Funchal.

Festa da Luz (3º catecismo) 

DSCN8302

DSCN8279

DSCN8281

DSCN8282

DSCN8283

DSCN8284

DSCN8285

DSCN8286

DSCN8287

DSCN8288

DSCN8289

DSCN8290

DSCN8291

DSCN8292

DSCN8293

DSCN8294

DSCN8295

DSCN8296

DSCN8300

DSCN8280

DSCN8304

DSCN8305

DSCN8307

DSCN8308

DSCN8309

DSCN8310

DSCN8311

Pároco — Quando fostes batizados, os vossos pais e pa­drinhos é que acenderam a vela do Batismo; hoje sois vós que a acendeis.

Canta-se. O pároco comunica a luz aos catequizandos, à medida que vêm dos bancos. Os catequizandos permanecem voltados prò altar, no degrau mais largo. Uma vez acesas as velas, os padrinhos vêm dos bancos até aos catequizandos. Estes viram-se pra aqueles e ambos seguram e levantam a (mesma) vela, enquanto respondem ao que se segue.

Pároco — Com a luz de Cristo a iluminar o coração de cada um e dos outros, professai a fé como fizeram os vossos pais e pa­drinhos:

Pároco — Renunciais às tentações do mal, para que o pe­cado não vos escravize?

Todos — Sim, renuncio.

Pároco — Credes em Deus, Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra?

Todos — Sim, creio.

Pároco — Credes em Jesus Cristo, seu único Filho, Nosso Senhor, que nasceu da Virgem Maria, padeceu e foi se­pultado, ressuscitou dos mortos e está à direita do Pai?

Todos — Sim, creio.

Presidente — Credes no Espírito Santo, na santa Igreja ca­tólica, na comunhão dos santos, na remissão dos peca­dos, na ressurreição da carne e na vida eterna?

Todos — Sim, creio.

Presidente — Esta é a nossa fé. Esta é a fé da Igreja, que nos gloriamos de professar, em Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Todos Amen.

DSCN8312

DSCN8314

DSCN8315

DSCN8316

DSCN8317

DSCN8318

DSCN8319

DSCN8320

DSCN8323

DSCN8324

DSCN8325

 

Hoje completaram-se os dias de Pentecostes...

555.1

555.2

555.3

555.4

555.5

555.6

555.7

555.8

50º dia da Páscoa:

solenidade do Pentecostes.

Bênção e entrega do pão

Ritual das Bênçãos, 1146: «Deus, que manifesta a sua omnipotência e a sua bondade em toda a terra, confi a à sua Igreja a bênção de determinados elementos, por humildes que sejam, para que todos os que os usarem piedosamente (invocando o nome do Espírito Santo) se sintam atraídos para os bens invi síveis e bendigam a Deus, porque só Ele faz
maravilhas e é admirável nos seus Santos».

DSCN8188

DSCN8189

DSCN8193

DSCN8194

DSCN8195

DSCN8196

DSCN8197

DSCN8198

DSCN8199

DSCN8200

DSCN8201

DSCN8202

DSCN8203

DSCN8204

DSCN8205

Caminhada de Páscoa

DSCN8190

DSCN8191

DSCN8192

DSCN8211

DSCN8212

DSCN8213

DSCN8214

Convívio

DSCN8206

DSCN8207

DSCN8208

DSCN8209

DSCN8210

 

DSCN8215

DSCN8216

DSCN8217

DSCN8218

DSCN8219

 

DSCN8220

Bodas de Ouro MatrimoniaisDSCN8169

DSCN8170

DSCN8171

DSCN8175

DSCN8176

DSCN8181

DSCN8183

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub